ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Atlético-PR atropela o São Paulo na Vila Campanema

Furação não toma conhecimento do tricolor e vence fácil por três a zero.

Por Vladimir da Costa

Invicto à 10 partidas, o São Paulo foi a Curitiba pensando que poderia encostar no pelotão da frente, mas o tricolor não esperava que o finalista da Copa do Brasil viria com tanta gana para vencer. O Atlético-PR não tomou conhecimento e venceu o São Paulo neste domingo por 3 a 0, no estádio Durival Britto e estragou a festa do líder Cruzeiro, que também venceu o Grêmio por 3 a 0 no Mineirão.

Jogadores do Atlético-PR comemoram gol contra o São Paulo pelo Brasileirão (Foto: Heuler Andrey/AGIF)

Jogadores do Atlético-PR comemoram gol contra o São Paulo pelo Brasileirão (Foto: Heuler Andrey/AGIF)

Com a derrota, o Tricolor permaneceu com 46 pontos, na oitava colocação. Os paranaenses foram a 58 pontos e se mantiveram a 13 da Raposa, com cinco partidas a serem disputadas (15 pontos em jogo).

O Atlético-PR não tomou conhecimento da boa fase do São Paulo de Muricy Ramalho e, com uma atuação impecável, dominou amplamente a partida. Marcelo, Luiz Alberto e o artilheiro Éderson comandaram a festa dos paranaenses, que teve direito a gritos de “olé” antes mesmo dos 20 minutos do segundo tempo.

O jogo

O furação começou a partida com tudo. A primeira chance surgiu aos cinco minutos, com Éderson, mas a finalização não foi boa. Aos 12 minutos, não teve jeito. Marcelo aproveitou cruzamento da esquerda, bateu forte, sem deixar a bola cair, sem nenhuma chance para Rogério. Festa na Vila Capanema.

Disposto a manter a invencibilidade são-paulina, que durava dez partidas (contando Sul-Americana), Aloísio teve a chance de empatar logo em seguida, mas o atacante não tocou para Ademilson, em melhores condições de arremate e acabou se embolando com a bola.

Empurrado por sua empolgada torcida o Furacão jogou mais água no chope cruzeirense.  Paulo Baier cobrou escanteio da esquerda, e Luiz Alberto aproveitou bobeada da defesa são-paulina para aparecer entre Antônio Carlos e Paulo Miranda, desviando para o gol, aos 26 minutos. Os donos da casa eram só pressão. Não davam chance nenhuma para o São Paulo reagir. Pouco antes do final do primeiro tempo Éderson desperdiçou bom contra-ataque.

Muricy apostou na entrada de Osvaldo no lugar de Denilson para deixar a equipe mais veloz, mas o atacante que não faz gol desde fevereiro, pouco fez para que o tricolor reagisse.

Antônio Carlos e Marcelo disputam jogada (Foto: Joka Madruga / Futura Press)

Antônio Carlos e Marcelo disputam jogada (Foto: Joka Madruga / Futura Press)

Assim como no primeiro tempo, o Atlético marcava em cima e não dava espaço para que o São Paulo pudesse atacar. Bem pelos lado do campo, o furação ampliou a vantagem aos 12 minutos.  Éderson aproveitou um chute errado de Marcelo aos 12 minutos para balançar a rede pela 17ª vez no torneio e acabar de vez com qualquer possibilidade de reação são-paulina.

O Tricolor ficava com a bola, mas não conseguia chegar perto do gol de Weverton. Ainda teve que ouvir, gritos de “olé” antes mesmo dos 20 minutos. O Atlético era perigoso quando atacava, agora com menos ímpeto, porém, sõ não fez mais porque Rogério Ceni não deixou,

Na próxima rodada, o São Paulo recebe o Flamengo no estádio Novelli Júnior, em Itu, na próxima quarta-feira, às 21h50m (horário de Brasília). Na mesma quarta-feira, mas às 21h, o Atlético-PR vai até Santa Catarina enfrentar o Criciúma, no estádio Heriberto Hülse.

Invicto à 10 partidas, o São Paulo foi a Curitiba pensando que poderia encostar no pelotão da frente, mas o tricolor não esperava que o finalista da Copa do Brasil viria com tanta gana para vencer. O Atlético-PR não tomou conhecimento e venceu o São Paulo neste domingo por 3 a 0, no estádio Durival Britto e estragou a festa do líder Cruzeiro, que também venceu o Grêmio por 3 a 0 no Mineirão.

Ou pelo menos adiou, já que a tarefa do Furacão não é das mais fáceis para roubar a taça dos mineiros.

Com a derrota, o Tricolor permaneceu com 46 pontos, na oitava colocação. Os paranaenses foram a 58 pontos e se mantiveram a 13 da Raposa, com cinco partidas a serem disputadas (15 pontos em jogo).

O Atlético-PR não tomou conhecimento da boa fase do São Paulo de Muricy Ramalho e, com uma atuação impecável, dominou amplamente a partida. Marcelo, Luiz Alberto e o artilheiro Éderson comandaram a festa dos paranaenses, que teve direito a gritos de “olé” antes mesmo dos 20 minutos do segundo tempo.

O jogo

O furação começou a partida com tudo. A primeira chance surgiu aos cinco minutos, com Éderson, mas a finalização não foi boa. Aos 12 minutos, não teve jeito. Marcelo aproveitou cruzamento da esquerda, bateu forte, sem deixar a bola cair, sem nenhuma chance para Rogério. Festa na Vila Capanema.

Disposto a manter a invencibilidade são-paulina, que durava dez partidas (contando Sul-Americana), Aloísio teve a chance de empatar logo em seguida, mas o atacante não tocou para Ademilson, em melhores condições de arremate e acabou se embolando com a bola.

Empurrado por sua empolgada torcida o Furacão jogou mais água no chope cruzeirense.  Paulo Baier cobrou escanteio da esquerda, e Luiz Alberto aproveitou bobeada da defesa são-paulina para aparecer entre Antônio Carlos e Paulo Miranda, desviando para o gol, aos 26 minutos. Os donos da casa eram só pressão. Não davam chance nenhuma para o São Paulo reagir. Pouco antes do final do primeiro tempo Éderson desperdiçou bom contra-ataque.

Muricy apostou na entrada de Osvaldo no lugar de Denilson para deixar a equipe mais veloz, mas o atacante que não faz gol desde fevereiro, pouco fez para que o tricolor reagisse.

Assim como no primeiro tempo, o Atlético marcava em cima e não dava espaço para que o São Paulo pudesse atacar. Bem pelos lado do campo, o furação ampliou a vantagem aos 12 minutos.  Éderson aproveitou um chute errado de Marcelo aos 12 minutos para balançar a rede pela 17ª vez no torneio e acabar de vez com qualquer possibilidade de reação são-paulina.

O Tricolor ficava com a bola, mas não conseguia chegar perto do gol de Weverton. Ainda teve que ouvir, gritos de “olé” antes mesmo dos 20 minutos. O Atlético era perigoso quando atacava, agora com menos ímpeto, porém, sõ não fez mais porque Rogério Ceni não deixou,

Na próxima rodada, o São Paulo recebe o Flamengo no estádio Novelli Júnior, em Itu, na próxima quarta-feira, às 21h50m (horário de Brasília). Na mesma quarta-feira, mas às 21h, o Atlético-PR vai até Santa Catarina enfrentar o Criciúma, no estádio Heriberto Hülse.