ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Boschilia marca e tricolor vence clássico

Cheio de reservas, São Paulo vence o Santos em Cuiabá, garante vaga para a libertadores em tarde de Cruzeiro campeão.

Por Vladimir da Costa

Em rodada que sacramentou o bicampeonato do Cruzeiro, o São Paulo foi até Cuiabá, depois que o Santos venceu a partida para arrecadar um dinheiro no final da competição, e venceu o jogo. Oprimeiro tempo chato deu lugar a uma segunda etapa veloz, com emoção e bem disputada. Para o campeonato, nada mudou, para as equipes, a força da base, que eram maioria em campo.

Boschilia sai para o abraço depois de marcar o gol da vitória do São Paulo. (Foto: Alexandre Schneider / Getty Images)

Boschilia sai para o abraço depois de marcar o gol da vitória do São Paulo. (Foto: Alexandre Schneider / Getty Images)

Num primeiro tempo quente, onde o calor castigou os atletas, fora dele, a torcida foi castigada com o futebol apresentado em campo. Sem criatividade, movimentação e chutes a gol, a partida ficou muito abaixo do que os times, repleto de bom jogadores podiam apresentar.

O segundo tempo foi completamente diferente. Com mudanças, o jogo ganhou em velocidade e durante todo o jogo, as equipes buscaram o gol. O São Paulo, com Boschilia fez o gol aos 11 minutos. Depois disso, o Santos teve ao menos quatro chances de gol, principalmente com Geovânio, mas não fez o Santos chegou ao nono jogo sem vitória. Permanecendo com 47 pontos, na 11º colocação. Já o São Paulo se consolidou em segundo lugar, com 69 pontos.

Apesar da vitória, o título ficou com o Cruzeiro, de maneira merecida, vencer o Goiás por 2 x 1.

A partida

Jogando em Cuiabá, o São Paulo, com maioria das arquibancadas a seu favor teve dificuldades de mostrar a força ofensiva das ultimas partidas. Com o meio campo formado com jogadores formado na base, o time do Morumbi começou de forma cautelosa. Com Hudson, Auro e Boschilia, o time ganhou em velocidade, mas perdia em controle do jogo.

Do outro lado, completo, o Santos que não lutava mais nada na competição, tentava atrapalhar o São Paulo e vencer mais um clássico no ano. Todo lance de ataque santista passava pelo camisa 7.

Auro, do São Paulo, disputa a bola entre jogadores do Santos. (Foto: Alexandre Schneider / Getty Images)

Auro, do São Paulo, disputa a bola entre jogadores do Santos. (Foto: Alexandre Schneider / Getty Images)

Apesar de jovens e bons jogadores, as equipes pouco assustavam os goleiros. A primeira chance mais perigosa veio somente aos 18 minutos, em lançamento para Gabriel que perdeu a passada e Rogério saiu para pegar sem maiores problemas.

Pouco a pouco o Santos ia tomando o controle da partida, ficando mais com a bola e agredindo o São Paulo, principalmente pelo lado esquerdo do campo, com Robinho tomando o controle daquele lado.

Com dificuldade na saída de bola o São Paulo não conseguia chegar perto do gol de Aranha. Apesar de ter três jogadores no ataque, apenas Pato era mais presente em campo e buscava o jogo com maior frequência.

Sem criatividade dos dois lados e com muito calor, na metade do segundo tempo a torcida passou a vaiar as equipes. Passados 35 minutos do primeiro tempo, nenhum escanteio ou falta perigosa para qualquer lado. O primeiro escanteio veio, mas devido um erro de Paulo Miranda.

Apenas aos 38 minutos, o primeiro lance para levantar a torcida. Ademilson chutou de fora da área e Aranha espalmou para o lado, no rebote, Oswaldo tentou, mas foi travado o lance seguiu e Boschilia furou bola cruzada na área, e a defesa santista conseguiu tirar de vez.

Os minutos finais foram da torcida pedindo Luis Fabiano para o segundo tempo.

E o atacante veio para o segundo tempo no lugar de Alexandre Pato, que sentiu o quadril e saiu para entrada do atacante e delírio da torcida. O Santos também mudou. Souza e Gabriel saíram para entrada de Geuvânio e Thiago Ribeiro, deixando o peixe mais ofensivo.

As mudanças mexeram com o jogo que ficou disputado e a primeira chance de gol foi do Santos, desperdiçada por Geuvânio. O atacante recebeu livre passou pela marcação e limpo para fazer, mas bateu para fora.

Ademilson sofre falta de Neto na partida disputada em Cuiabá. (Foto: Alexandre Schneider / Getty Images

Ademilson sofre falta de Neto na partida disputada em Cuiabá. (Foto: Alexandre Schneider / Getty Images

O tricolor respondeu na sequência. Aos 10 minutos, Boschilia pegou sobra no ataque, invadiu a área pela esquerda e chutou cruzado, na saída de Aranha. A bola ainda bate na trave antes de entrar.

O jogo parecia outro. As mudanças e o gol cedo acordou todo mundo.

Finalizações

Depois do gol, o Santos passou a atacar e a finalizar de todos os lados. Geuvânio soltou o pé da intermediária e acertou o travessão. Um minuto depois, Robinho deixou de calcanhar para Caju. Na área, o lateral bateu fraco e facilitou para Rogério, na sequência, foi a vez de Lucas Lima tentar para nova defesa do goleiro tricolor.

A resposta veio com Paulo Miranda, que escorou cruzamento de Osvaldo e quase fez o segundo.

Geovânio teve a terceira chance, mas perdeu mais uma. Denilson perdeu no meio para Robinho que partiu em velocidade e tocou para o atacante que bateu fraco para defesa de Ceni.

Pensando em manter a posse de bola Muricy sacou o autor do gol para colocar em campo Michel Bastos. O camisa 7 do São Paulo entrou e em dois lances chutou com perigo e assustou o goleiro santista.

O jogo seguia corrido, com o Santos arriscando mais, mas pecava no último passe. Já o São Paulo ficava menos com a bola mas era igualmente perigoso quando chegava à frente.