ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Espanha se mantém no topo do ranking da Fifa, Brasil despenca!

Canarinho cai mais 4 posições, veja os motivos da queda e o critério da entidade.

Por Paulo Edson Delazari 

Espanha lidera ranking da FIFA. (Foto: Getty Images)

Há muito tempo se discute os critério de cálculo do Ranking de seleções da Fifa e a conclusão que se chega é que ele é um absurdo. A viajada dessa turma chega ao ponto de considerar as conquistas da confederação para dar uma média para calcular o tal ranking, porém quando se mede a força da seleção, os títulos não são contados e sim o próprio ranking.

Para crescer no ranking é necessário jogar e vencer seus adversários, contudo, a seleção sede da Copa é prejudicada, pois deixa de jogar as eliminatórias e consequentemente não consegue pontuar, caso do Brasil, que vive de pequenos amistosos. Lembrando que as partidas de eliminatórias são consideradas como jogos da Copa do Mundo, assim sua importância no cálculo leva uma média maior na hora de fechar as notas.

A última atualização foi feita ontem (20/12),  entenda a forma de cálculo para a organização dos rankiados e veja como ficou o ranking ao fim da reportagem. 

A lógica por trás dos cálculos é simples: as seleções que se dão bem no futebol mundial ganham pontos que lhes permitem subir no ranking.

A pontuação total de uma seleção em um período de quatro anos é definida por meio da soma da média de pontos ganhos em jogos disputados nos 12 últimos meses e da média de pontos ganhos em jogos que ocorreram há mais de 12 meses (a qual se deprecia anualmente).

Cálculo de pontos de uma partida

A pontuação que pode ser ganha em um jogo depende dos fatores a seguir:

•      o resultado, desde que vitória ou empate (R);

•      a importância do jogo (desde um amistoso até uma partida de Copa do Mundo da FIFA) (I);

•      a força da seleção adversária com base na pontuação no ranking e na confederação continental à qual pertence? (S e C).

Estes fatores são conjugados na fórmula a seguir para a obtenção da pontuação total (P).

P = R x I x S x C

Os critérios a seguir são aplicados para o cálculo de pontos:

R:        Pontos pelo resultado da partida

As seleções ganham três pontos por vitória, um por empate e nenhum por derrota. Em uma decisão por pênaltis, o vencedor leva dois pontos, e o perdedor, apenas um.

I:           Importância da partida

Amistoso (e competições de pequeno porte):      I = 1,0

Eliminatórias para Copa do Mundo da FIFA ou para o principal torneio de cada confederação:          I = 2,5

Copa das Confederações da FIFA ou principal torneio de cada confederação:     I = 3,0

Copa do Mundo da FIFA:                                                                    I = 4,0

S:         Força da seleção adversária

A força do adversário é definida por um número proporcionalmente inverso à sua posição no ranking, subtraindo-se de um total de 200 pontos o número correspondente à classificação. Ou seja, a seleção que ocupa a 14ª posição tem 186 pontos de força, a seleção que ocupa a 51ª posição tem 149 pontos de força, e assim por diante.

Como uma exceção à fórmula, a seleção líder do ranking sempre tem 200 pontos de força, e os países abaixo da posição 150 têm um valor mínimo de 50 pontos de força. A posição levada em conta é a publicada na edição mais recente do Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola.

C:            Força da confederação continental

Para o cálculo referente a partidas entre seleções de diferentes confederações continentais, é usado o valor médio entre as confederações às quais pertencem as duas seleções. A força de uma confederação é calculada com base no número de vitórias das suas seleções nas três últimas edições da Copa do Mundo da FIFA. Os valores são os seguintes:

UEFA/CONMEBOL         1,00       /                CONCACAF     0,88             /            AFC/CAF        0,86                /             OFC                0,85

 

RANKING DA FIFA

 

 

Veja o ranking geral