ÚLTIMAS NOTÍCIAS
No Horto, foi o Atlético que cantou de galo

Tricolor faz tempos distintos, perde para o galo e a vice-liderança para o Internacional.

Por Vladimir da Costa

Ainda brigando pela ponta da tabela, o São Paulo tinha tudo para encostar e fazer alguma pressão no Cruzeiro, que perdeu para o Flamengo, mas não foi bem assim. O time mais regular, não oscila e por isso está na ponta, diferente dos demais, que quando parecem engrenar, não demonstram o algo a mais e acabam decepcionando seus torcedores.

O primeiro tempo foi bem veloz. Com o São Paulo no comando da partida, sempre com Osvaldo partindo com velocidade, o tricolor criou mais e teve a melhor oportunidade, com Pato, defendida por Vitor. Mas apesar de estar no comando do jogo, a equipe paulista não soube aproveitar. Pecava no último toque e não transformava o controle da partida em chances de gols. O Atlético buscava chegar pelas pontas, mas errou muitos passes, o que facilitou para os marcadores são-paulinos.

São Paulo domina metade da partida, mas peca e perde a chance de encostar no lider. (Foto: Ramon Bittencourt / Agência Lance)

São Paulo domina metade da partida, mas peca e perde a chance de encostar no líder. (Foto: Ramon Bittencourt / Agência Lance)

No segundo tempo, tudo mudou. O São Paulo parou de jogar o Atlético fazer uma pressão incrível, até fazer o gol, da vitória com Luan. Somente depois, o tricolor teve algum refresco, mas não teve forças nem qualidade para reagir.

Com a derrota, o São Paulo foi ultrapassado pelo Internacional, ficando na terceira colocação, com 49 pontos. O Atlético chegou ao G4, com 47 pontos. Na próxima rodada, o São Paulo recebe o Bahia, no Morumbi, no sábado, às 18h30. No mesmo dia, às 21h, o Atlético recebe a Chapecoense.

A partida

Diante de um bom público no independência, o São Paulo conseguiu no inicio da partida neutralizar a pressão do Atlético e foi o primeiro a finalizar. Aos três minutos, Osvaldo partiu em velocidade e bateu para o gol, mas a bola passou longe. Quarto minutos depois, em nova arrancada do atacante pela esquerda, que entrou na área e rolou para Pato que dominou com um pé tirando do marcador, e bateu com outro. Vitor saiu bem e tirou para escanteio o gol certo.

Com forte marcação de ambos os lados, a partida era jogada de forma intensa, com os times trocando passes rápidos, tentando achar um companheiro em posição de finalizar ao gol. Com três atacantes, o tricolor levava mais perigo.

No Indepêndencia, o ataque tricolor foi inoperante. (Foto: Ramon Bittencourt / Agência Lance)

No Indepêndencia, o ataque tricolor foi inoperante. (Foto: Ramon Bittencourt / Agência Lance)

Pouco a pouco o Atlético ia ficando com a bola, tirando o ímpeto ofensivo do São Paulo, mas sem conseguir chegar perto do gol de Rogério. Principalmente por conta de erros ofensivos.

Com Maicon e Denilson no meio campo, o tricolor conseguia neutralizar o meio atleticano, que levava perigo apenas em bolas paradas, não conseguia ficar com a bola. Já o São Paulo, com Osvaldo chegava bem, sempre com espaço para criar uma jogada de perigo, mas no último passe, para definir a jogada o jogador são-paulino errava.

Nos últimos 10 minutos do primeiro tempo o São Paulo parecia ter cansado e assistiu o Atlético criar boas chances. A primeira veio depois que Denilson dormiu e ver o galo chegar com perigo, mas Carlos errou o cruzamento. Aos 44 minutos, a primeira finalização. Dátolo bateu de fora da área e Rogério caiu para fazer a defesa. O tricolor respondeu com Michel Bastos. O camisa sete passou por dois marcadores com velocidade e soltou a bomba. Vitor espalmou do jeito que deu.

O segundo tempo começou como no primeiro, o São Paulo criando enquanto o Atlético chegava com mais dificuldade. Aos cinco minutos, Michel Bastos viu bem e lançou para Alan Kardec, na velocidade tirar de Vitor e bater, mas sem ângulo a bola foi para fora.

A medida que o São Paulo ia cometendo muitas faltas e ia forçando os passes longos, o Atlético colocou a bola no chão e ia pressionando no campo de ataque.

Com 15 minutos, sem conseguir jogar no campo de ataque, Muricy trocou Pato por Luis Fabiano. A Levir Culpi colocou Marion com André e com isso, o time que já estava melhor, passou a imprimir um ritmo ainda mais forte, acuando o São Paulo no campo de defesa.

O meio campo praticamente não existiu do segundo tempo. A velocidade imposta pelo galo não dava tempo para os jogadores de meio pensarem.

O Atlético seguia firme no ataque, pressionando e não teve jeito, a pressão resultou em gol. Aos 25 minutos, Alex Silva fez grande jogada, cortou para o meio e deixou Luan livre. O atacante, com calma, tirou de Rogério para fazer o primeiro gol da partida.

Só depois de sofrer o gol o São Paulo conseguiu ficar um pouco mais com a bola, porém era em outro contexto. O Atlético se fechou e deu a intermediária para o adversário, claramente esperando um contra-ataque.

Já para o final, Osvaldo que fez um belo primeiro tempo e pouco fez no segundo, saiu para a entrada de Ewandro.

O São Paulo tentou fazer a blitz final, mas era tarde demais.