ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Nos Pênaltis, Fúria garante Vaga na Final da Euro

Em uma partida muito disputada a vaga foi decidida nos pênaltis 

Por Vladimir da Costa

Portugal começou a partida pressionando a saída de bola da Espanha, que não conseguia tocar a bola como de costume. Com a saída de bola bem marcada, os espanhóis começava a fazer ligações diretas. E a melhor chance de gol da Espanha veio de uma bola lançada que encontrou Negredo na linha de fundo que rolou para o meio da área, a bola caiu no pé de Iniesta que chutou por cima do gol de Patrício.

Cristiano Ronaldo, bem marcado, não conseguiu manter o nível de atuação (Foto: Matthias Schrade/AP)

Portugal por sua vez, forçava as jogadas com Cristiano Ronaldo pela esquerda, mas muito bem marcado o português não conseguia chegar na área em condições de finalizar.

Com o passar do primeiro tempo a Espanha começava a ficar mais tempo com a posse de bola, mas seguia sem criatividade para concluir a gol. Com a cadência espanhola, a torcida ucraniana começou a vaiar o jogo no meio do primeiro tempo, impaciente com o jogo truncado no meio de campo.

O primeiro tempo terminou com três finalizações para cada lado, com apenas um chute de Portugal no gol adversário.

Na segunda etapa Portugal continuava pressionando a saída de bola adversária e diferente do primeiro, começou a chutar a gol principalmente de fora da área.

Sem conseguir manter o controle da partida a Espanha começou a mudar, aos seis minutos entrou Fabregas no lugar de Negredo e aos 15, entrou Jesús Navas no lugar de David Silva, deixando o time mais ofensivo.

Mesmo com maior posse de bola, o jogo era equilibrado e bem movimentado no meio de campo. Aos 27 minutos, em Cobrança de falta, Cristiano Ronaldo cobrou com força, mas a bola passou por cima do gol de Casillas.

Em partida com muitas faltas e cartões, Pepe não escapou de levar o seu (Foto Pierrei Philippe/AFP)

As duas equipes demonstram muita vontade, mas Portugal demonstrava mais nervosismo o que fazia a equipe errar muitos passes, desperdiçando boas jogadas de ataque.

Aos 35 minutos, Portugal resolveu fazer sua primeira alteração, saiu Hugo Almeida para entrada do Nélson Oliveira.

Em nova cobrança de falta, Cristiano Ronaldo teve outra oportunidade de abrir o placar, mas novamente jogou sobre o gol da Espanha.

O jogo continuava pegado no meio de campo e apesar da maior posse de bola da Espanha, era Portugal que tinha as melhores chances de gol. Percebendo isso, Del Bosque sacou Xavi para entrada de Pedro, deixando a equipe mais rápida, mas a melhor chance de gol aconteceu nos 44 minutos, em contra-ataque, Cristiano Ronaldo dominou livre pela esquerda, chutou por cima de Casillas. Depois disso, os espanhóis pareciam esperar o tempo normal terminar para jogar a prorrogação e ela veio.

 

 

 Prorrogação

 

Iniesta quase deixa garante a vaga espanhola na prorrogação (EDDIE KEOGH REUTERS)

Depois de 90 minutos, 42 faltas e oito cartões amarelos, as equipes começaram a prorrogação mais cautelosas, buscando ficar mais tempo com a posse de bola, mas o excesso de faltas não deixava o jogo correr e com isso, as melhores chances de gols, das duas seleções, eram em cobranças de faltas jogadas direto na área, mas todas sem perigo e Portugal resolveu mexer novamente, saindo Miguel Veloso para entrada de Custódio.

O talento espanhol apareceu quando Pedro deu dois chapéus, tocou para Iniesta, que chutou no gol, mas Rui Patrício bem colocado fez grande defesa. Em nova chance de gol, Sergio Ramos cobrou a falta que passou rente ao travessão.

No segundo tempo da prorrogação a Espanha seguia melhor, e o goleiro português começava a aparecer na partida.

Portugal resolveu fazer sua última mudança, Varela no lugar de Raúl Meireles, mas a seleção portuguesa parecia perdida, não conseguia mais chegar ao gol de Casillas e a Espanha seguia no ataque. Em nova oportunidade, aos 5 minutos do segundo tempo da prorrogação, Pedro, que entrou muito bem na partida, partiu sozinho em direção ao gol, mas driblou para o lado errado e perdeu a bola. O jogo ganhava em emoção com o passar do tempo, muito mais tenso e disputado, diferentemente dos tempo normal, a bola quase não ficava no meio de campo, com as duas seleções acelerando o jogo em busca do gol.

A prorrogação acabou no 0x0, apesar da Espanha ter buscado o gol durante os 30 minutos, Portugal conseguiu levar o jogo para os pênaltis.

Pênaltis

Depois de 120 minutos de um jogo muito disputado, Espanha e Portugal disputaram a primeira vaga para a final da Euro 2012 nos pênaltis.

Xavi Alonso foi o primeiro a cobrar, mas Rui Patrício pegou. Para Portugal, quem começou foi João Moutinho que também perdeu, Casillas pegou no canto direito.

Quem abriu o placar nos pênaltis foi Iniesta, que fez para Espanha, assim como Pepe, que também converteu. Piquet bateu a meia altura e marcou. Nani, sem chances para Casillas marcou, na sequência, Sergio Ramos, com cavadinha, fez o terceiro gol espanhol. Bruno Alves, cobrou no travessão a quarta cobrança portuguesa, deixando a Espanha a um gol da vaga para a grande final.

Cesc Fàbregas, cobrou no canto direito e definiu a decisão por pênaltis.

Na terceira final seguida, a segunda vez pela Eurocopa, a Espanha e espera seu adversário que sairá amanhã no confronto entre Alemanha  e Itália, para conquistar mais um título.