ÚLTIMAS NOTÍCIAS
O Gigante adormece

O Gigante adormece…

Por Mauricio Bonato

Se leva muito tempo para que um clube passe de um time de futebol para um clube de verdade. Claro que devemos levar em consideração as instalações sociais desse clube, os sócios praticam seus esportes favoritos ou os esportes oferecidos por esse clube, curtem o lazer proporcionado por essa instituição e nem sempre, são torcedores desse clube, aí, quando se pensa em eleições democráticas e diretas para os sócios, a coisa complica e é um risco colocar as urnas do seu clube à disposição de sócios não torcedores desse clube, já que nem sempre, o melhor pro torcedor ou sócio-torcedor, não é o melhor para o sócio-não-torcedor. Muitos clubes vivem esse dilema, em especial o SPFC. além desse problema, a característica mais positiva do SPFC foi sempre ter uma oposição forte e atuante, coisa que hoje não tem, uma pena. Outro problema é que sem oposição e sem oposição de qualidade, o clube não anda e isso se reflete em cheio num clube grande, que tem um time de futebol forte e com milhões de torcedores, os sintomas são sentidos por esse clube numa situação dessas.

Os problemas internos do SPFC, desde sempre, não vazavam à torcida ou imprensa, hoje o que se vê é o contrário, essa questão contribui para crises, elas que estiveram por muito tempo longe do vocabulário tricolor. A torcida, ah a torcida… cansei de ir ao Morumbi (que é uma questão à parte) com 3 mil pessoas e a arquibancada superior estava fechada porque o número de torcedores era insuficiente para que fosse aberta ao público, jogos de quarta-feira à tarde e mesmo nesse cenário, os “corneteiros” estavam lá, firmes e fortes e fazendo sua parte, falando pelos cotovelos tanto pra criticar como elogiar, sim, elogiar, porque quando eram atendidos, mesmo que errados, tinham que elogiar, uma questão de ego ferido, mas coerência, ao menos isso… Hoje, a torcida do SPPC chega aos 20 milhões em todo o mundo, claro que falo de valores mundiais, porque o SPFC se tornou um time mundial, conhecido nos 4 cantos do planeta e outrora, respeitado em todos os lugares. Torcida cresce, problemas também na mesma proporção, mesmo porque, o SPFC que só tem 77 anos incompletos, teve sua torcida crescendo rapidamente e assumindo o terceiro posto no Brasil, atrás das potências populares Flamengo e Corinthians, respectivamente. Sabe quando uma cidade é fundada e seu crescimento acontece de forma desordenada? talvez seja isso mais um problema do SPFC.

Antigamente, os dirigentes tricolores eram mais “criativos”, sim criativos! tiravam leite de pedra, assim foi na construção do Morumbi, Morumbi que já deu muitas despesas para ser reformado e modernizado e que dará mais agora com a cobertura, nesse caso, o SPFC tem parceria com a iniciativa privada e não vai sentir tanto os gastos, o time poderá ser priorizado, ao contrário do que foi em outros tempos, mas isso faz parte, está no pacote em se ter um estádio como o Morumbi, um dos maiores do país e que de forma errada e politicagem barata, perdeu sua autoridade de forma indevida, sempre será o palco mais indicado para a realização de qualquer evento de grande porte na cidade de São Paulo e isso, além da história, ninguém pode tirar do Morumbi, jamais, mesmo que o estádio seja implodido para que se construa lá ou em outro terreno, uma nova arena para o tricolor. a questão criatividade anda escassa no SPFC, talvez, os dirigentes se esqueceram de pensar em futuro, como fizeram em outras épocas, falta ao SPFC sonhar com o futuro, o torcedor sonha sempre, faz do time o melhor do mundo, mas a direção tricolor, há anos tem uma empáfia que sempre joga contra, o caminho para grandes feitos passa pela humildade e saber quando se erra, essa questão é muito difícil de ser resolvida no SPFC, talvez com a saída do presidente em 2014, isso se a oposição ou situação que assumir o clube, entenda que o Gigante precisa acordar. O potencial do SPFC, aliado à estrutura (que não ganha absolutamente nada sozinha se não for utilizada por bons profissionais. Profissionais de ponta, gabaritados de verdade e à força da torcida, pode sim, voltar a ser o melhor time do planeta e se manter por lá por muito tempo ou para sempre. A cabeça do Gigante deve ser voltada a títulos importantes e também a títulos pequenos, claro, regionais são importantes sim, somam na história e galeria de um clube, campeonatos nacionais tem uma grande importância e os internacionais, nem preciso falar o que representam… Pra mim, um grande clube tem que ganhar tudo, absolutamente, tem que montar dois times fortes, ter um elenco de qualidade, com no mínimo, 2 jogadores bons e de nível em cada posição, sem improviso, sem “gambiarra”.

As categorias de base são importantes para revelar jogadores de qualidade, não para dar títulos nessas categorias para o clube, os atletas jovens devem ser colocados e testados em situações adversas, de dificuldades, assim aprendem e entendem o valor de uma conquista, percebem o peso da camisa e a importância em triunfar e perceber, o que pra mim é o principal, o que a torcida pensa do time, o amor que a torcida despende para esse time ou clube. Muitos dizem que a “profissão” de jogador de futebol é igual a qualquer outra, pra mim, isso é mentira, balela. O futebol mexe com paixões de pessoas que poeriam fazer qualquer outra coisa, ir ao cinema, assistir á TV em casa, ir ao parque com a família etc e deixam de fazer tudo isso, pra se dedicar aos times, aos clubes, sofrem e até exageram muito, levando essa paixão muito a sério, mas essa questão, em qualquer nível que seja praticada, da simpatia ao fanatismo, deve ser levada em consideração pelos jogadores quando vestem a camisa de um clube. há anos, não se vê mais do que 5 jogadores que vestiram a camisa do SPFC de forma honrosa, além dos jovens, as “jóias” ou promessas, se preocuparem muito mais em uma transferência rápida para o exterior do que em triunfar com a camisa tricolor. São sintomas dos tempos modernos, sem dúvida, empresários fazem a cabeça da garotada, o sucesso em campos europeus, por exemplo, seduz os jovens, mas desde o início dos trabalhos na base, deve se trabalhar o agradecimento e amor ao clube, essa pode ser uma grande falha do SPFC que parece, está sendo corrigida pelos novos profissionais que lá estão. Essas mudanças levam tempo e paciência, mas para que sejam efetivas, com resultados positivos, precisam ser mostrados á comunidade que faz parte de um clube, todos precisam perceber os resultados, do contrário, nada vai vingar e o futuro da instituição fica comprometido.

A direção atual se compromete em não ter dívidas, em ter as contas equilibradas, isso é importante, não tenho nenhuma dúvida, mas fica uma questão que o torcedor pode responder em uma enquete: o que é preferível, ter um clube equilibrado financeiramente sem muitas estrelas e títulos, ou ter um clube cheio de dívidas e craques com um título importante conquistado a cada temporada? o ideal é ter equilíbrio financeiro, montar um time forte e ganhar títulos, é a combinação perfeita, sem dúvida, mas nem sempre isso é possível. Outra ferramenta importante é o marketing do clube, que pra mim, deve ser feito por profissionais da área, remunerados e comissionados para tal, esses profissionais devem buscar as melhores maneiras de se aportar dividendos para o clube, sem participar da política desse clube, tem que ser um departamento profissional como acontece em uma empresa, mesmo o clube não sendo um clube-empresa, existem pouco no Brasil, estamos há anos-luz dessa realidade e o SPFC não fica fora desse atraso.

Ter um clube para torcer, se identificar com ele, traz características da personalidade do torcedor e com certeza, o momento vivido, um dos piores em toda a história, se levarmos em conta sucessos dos adversários diretos e insucessos do tricolor, faz com que o são-paulino se sinta menor, seja menor. Toda fase, a boa e a ruim, passa, tem uma vida útil, começo, meio e fim; a questão é atingir um grau de excelência em administração e conquistas que não será pra sempre, mas viverá ciclos rápidos de insucessos e grandes ciclos exitosos. Talvez abrir o clube aos investimentos internos e externos, talvez a mudança de filosofia de um clube, talvez o ressurgimento de sentimentos fortes pela agremiação, faça com que o SPFC, volte ao topo e permaneça sempre por lá. Deixar de pensar pequeno transforma qualquer pessoa, o que se dirá de um clube de futebol com tanta gente apaixonada por ele?