Palmeiras sucumbe diante do Corinthians

Uma Vitória que vale muito mais que os três pontos

Por Gilmar de Freitas Jr

Em um domingo de clássico no Pacaembu, onde a maioria era de torcedores do Palmeiras, o clima não era de festa, mas sim de tensão, qualquer resultado que não fosse a vitória, teria proporções terríveis para a sequência da competição para a equipe Alviverde.

E o resultado não foi o que os torcedores esperavam, longe disso, uma derrota por 2 a 0 contra seu maior rival e a sombra do rebaixamento cada vez mais presente no dia a dia do clube, que sem técnico efetivado, com problemas de lesão, parece não ver saída para uma luz que insiste em não iluminar a equipe.

A partida

Romarinho comemora o primeiro gol da partida contra o Palmeiras (Fernando Donasci/UOL)

Como era de se imaginar, começou tensa, como era de se imaginar, o principal problema do Palmeiras é emocional. E foi confirmada com a reação exagerada de Luan, depois que Romarinho abriu o placar aos 21 minutos de jogo e foi comemorar, em frente a torcida Alviverde.

Douglas deu belo passe para Martínez, mas Maurício Ramos conseguiu desarmá-lo, a bola ficou com Juninho que deu um vacilo tremendo e não percebeu que o atacante corinthiano estava na sua frente, quando viu, era tarde demais. Romarinho roubou a bola e bateu no contrapé de Bruno, abrindo o placar para o Corinthians.

Luan, totalmente transtornado, foi tirar satisfações com o jogador apos o gol, mas a turma do deixa disso, apartou a confusão geral que tomou conta do gramado.

O atacante palmeirense já havia tomado um cartão amarelo aos 15 minutos, por uma suposta simulação de falta, mas na confusão não levou nenhum.

O técnico interino do Palmeiras, Narciso, percebendo o nervosismo do seu jogador, tentou substitui-lo, colocando Maikon Leite em seu lugar, mas não foi possível. Luan foi expulso minutos depois, em uma lance polêmico. Depois de uma disputa de bola, o jogador do corinthiano subiu demais o braço, mas o árbitro disse que viu um chute de Luan em Guilherme Andrade e o expulsou, aos 25 minutos de jogo.

Depois disso, a partida deu uma esfriada, o Corinthians dominava as ações no meio campo. As únicas vezes que o Palmeiras chegou ao gol na primeira etapa foi com uma cabeçada na trave, depois de um cruzamento de Marcos Assunção e Barcos, que deu um chute forte, que levou perigo, mas foi pra fora.

Barcos se desentente com Guilherme durante o jogo (Fernando Donasci/UOL)

Cássio, sempre que foi exigido, fez bem seu trabalho, bem colocado, o goleiro corinthiano fez boas defesas, dando tranquilidade para  a zaga Alvinegra.

No segundo tempo, com um jogador a mais, o Corinthians resolveu marcar não dar mais espaço para que o Palmeiras reagisse, marcando no campo de ataque, deixando o Palmeiras sem opções para sair jogando. Quanto tentava, era desarmado. Em um deles,

Danilo roubou a bola de João Vitor partiu e, contra-ataque que passou por Romarinho, por Douglas que cruzou na segunda trave, na cabeça de Paulinho que cabeceou no canto, sem defesa para Bruno.

Corinthians 2 a 0 em um Palmeiras que não tinha mais forças para reagir.

A impotência em campo acalmou os ânimos dos atletas, e esfriou o ímpeto do Corinthians, que diminuiu o ritmo, por também achar que o placar estava resolvido.

Sem expectativas, Narciso mexeu no time, colocou Obina e Tiago Real que de fato entraram bem, em uma jogada do meia, ele lançou Artur que ajeitou para Valdivia, que perdeu uma ótima chance de dar alguma esperança para sua torcida.

E o restante da partida foi de muitos protestos nas arquibancadas e pouco futebol dentro de campo. A partida terminou com 10 cartões amarelos, sem contar a expulsão de Luan.

Com mais uma derrota, a 15º na competição e faltando apenas 13 para acabar a competição, é realmente muito difícil que o time que venceu apenas cinco até aqui, saia dessa incomoda situação.

Para o Corinthians, que chegou aos 35 pontos, além de vencer seu maior rival, se vê em uma posição confortável, está apenas aguardando o final da competição para seguir para o Japão na disputa do mundial de clubes.

No próximo sábado, o confronto do time comandado por Narciso, será contra o Figueirense, rival direto na fuga do rebaixamento, no Orlando Scarpelli, no ABC Paulista, às 18h30. Já o Corinthians, domingo, no Engenhão, joga contra o Botafogo, no Engenhão, às 16h.