ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Peixe joga pro gasto e leva a melhor sobre o tricolor baiano

Num jogo quase marcado por uma tragédia, o Santos vence o Bahia fora de casa e sobe na tabela.

 

Por Renato Melo

Em Feira de Santana, o Santos conseguiu uma importante vitória pra cima do Bahia. Em um jogo marcado pela confusão da superlotação do estádio Jóia da Princesa, a equipe da Vila Belmiro jogou melhor no segundo tempo com destaque para o jovem Lucas Lima, autor de um dos gols do Peixe.

PRIMEIRO TEMPO

O jogo começou com os dois times com o freio de mão puxado, nenhuma das equipes se arriscou muito a sair para o ataque.

Crianças assustadas com a confusão no estádio

Crianças assustadas com a confusão no estádio

O primeiro e único lance de perigo foi da equipe do Bahia, aos 39 minutos numa cobrança de falta de Talisca. A bola bateu na rede do lado de fora, enganando muita gente que comemorou o gol.

Infelizmente o primeiro tempo foi marcado pela confusão do lado de fora do estádio. Muito torcedores do time da Boa Terra tentaram invadir a entrada do Joia da Princesa. Diversas pessoas ficaram espremidas, inclusive crianças, e a situação ficou muito tensa devido a superlotação do estádio em Feira de Santana. Uma das razões para o excesso foi, segundo diretores e administradores do estádio a gratuidade. Sem controle de quantas pessoas iriam acompanhar os pagantes, o risco aumentou sem o mínimo cuidado dos responsáveis.

As autoridades do jogo esperaram a situação se resolver ara que a partida não fosse cancelada. Alguns passaram mal e foram encaminhados para a ambulância e pouco a pouco a situação foi se acalmando.

SEGUNDO TEMPO

Aos 14 minutos foi a vez do time da Vila Belmiro quase abrir o placar, Jorge Eduardo recebeu um lançamento e ficou sozinho em condições de marcar, o garoto dentro da área encheu o pé mais o goleiro Marcelo Lomba fez uma defesaça.

De tanto insistir, aos 16 minutos o Peixe abriu o placar. Lucas Lima cobrou a falta na área e a bola encontrou Alan Santos que cabeceou com categoria, so tirando do goleiro baiano. Santos 1 Bahia 0.

thumb

Jogadores do Santos comemoram o gol da vitória do peixe sobre o Bahia, em partida marcada por confusão e desespero. (Foto: Romildo de Jesus / Agência Estado)

O técnico do time tricolor baiano modificou sua equipe, querendo o empate, o Bahia jogou com quatro atacantes, vindo com tudo para cima do Santos, que esperava achar um contra ataque para matar a partida.

Aos 33 minutos, o técnico do Peixe Oswaldo de Oliveira levou uma bronca do arbitro por sair da área técnica para mostrar uma lata jogada por torcedores do Bahia.

Com o time da Boa Terra em desespero pelo empate, aos 42 minutos o Peixe conseguiu encaixar um excelente contra ataque. Numa boa jogada de Jiva e Cicinho, que rolou na entrada da área para Lucas Lima chutar no canto do goleiro Marcelo Lomba, Santos 2 Bahia 0.

Com o gol, o Peixe acabou com qualquer reação da equipe baiana.

Após três minutos de acréscimo o jogo terminou com vitória do Peixe por 2 a 0.

Com o resultado, o Santos subiu para a decima primeira posição com 11 pontos e na próxima rodada enfrenta o Criciúma no estádio Primeiro de maio, em São Bernardo do Campo. Já o Bahia caiu para a decima quarta posição ficando com 8 pontos ganhos e enfrenta a equipe da Chapecoense, fora de casa, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA:

BAHIA 0 X 2 SANTOS

Estádio: Joia da Princesa, Feira de Santana (BA)

Data/hora: 29/5/2014 – 21 horas (de Brasília)

Árbitro: Wagner Reway (MT)

Auxiliares: Paulo Cesar Silva Faria e Fabio Rodrigo Rubinho (MT)

Cartões amarelos: Cicinho (SAN); Titi, Fahel (BAH)

Cartões vermelhos:

GOLS: Alan Santos, 16’/2º (1-0); Lucas Lima, 43’/2º (2-0)

BAHIA: Marcelo Lomba, Roniery, Titi, Demerson, Guilherme; Fahel, Pittoni (Rafinha, 26’/2ºT), Talisca, Barbio; Maxi Biancucchi e Henrique (Eric, 9’/2ºT) – (Jean, 39’/2ºT). Técnico: Marquinhos Santos

SANTOS: Aranha, Cicinho, Neto (Bruno Uvini, 39’/2ºT), Jubal, Zé Carlos; Arouca, Alan Santos (Renato, 26’/2ºT), Lucas Lima; Jorge Eduardo, Diego Cardoso e Gabriel (Giva, 20’/2ºT). Técnico: Oswaldo de Oliveira