Uma rodada morna dos Quatro Maiores

Jogos sem criatividade e emoção, marcam a 9º dos Quatro Maiores

Por Vladimir da Costa

Passado nove rodadas do Brasileiro 2012, os grandes times de São Paulo, parecem que terão muito trabalho para colocar as coisas no eixo para a sequencia do brasileiro, caso almejem algo de importante na competição. O Corinthians, atual campeão da Libertadores , já disputa o nacional com seus titulares, mas mesmo assim, sofreu para ganhar do Náutico em casa.

Mesmo saindo atrás do placar, o time conseguiu a virada com dois gols do Danilo. Com a vitória, o Corinthians chegou aos 8 pontos, um ponto acima da zona de rebaixamento.

Na frente do Corinthians, com nove pontos está o Santos, que foi a Porto Alegre enfrentar o Inter. Ambas as equipes estavam sem seus principais atletas que estão servindo a seleção para a disputa das Olímpiadas. Com várias caras novas em campo e algumas estreias. Muricy Ramalho aproveitou a falta de jogadores na posição para lançar dois atacantes. O treinador, colocou em campo os recém chegados, Dimba e o argentino Meirelles.

Apesar da vontade das equipes dentro de campo, a partida foi fraca tecnicamente. Poucas chances de gol durante a partida, com muito pegada no meio de campo, foi o que se viu nos 90 minutos. Apesar do 0 a 0, mas melhores chances de gols foram do Santos, uma com Meirelles e outra com o volante Henrique, que obrigou Muriel a fazer boa defesa.

Um empate que afastou o Inter dos lideres e um ponto que não deixou o Santos longe do Z-4. Um dos melhores ataques do Brasil ficou no quarto empate sem gols da equipe santista no brasileiro.
Na partida das 18h30, novo empate. Com sabores diferentes. O São Paulo veio a campo com um esquema diferente. Ney Franco armou a equipe no 4-4-2, querendo melhorar a destruição em campo de seus jogadores, mas parece não ter dado muito certo.

O jogo começou parelho, muito disputado no meio de campo, com o Palmeiras tomando iniciativa da partida. Mas quem abriu o placar foi o Tricolor. Após cruzamento de Jadson, Luís Fabiano apareceu sozinho na pequena área, o atacante só teve o trabalho de empurrar para dentro do gol.

E foi isso o São Paulo na partida. A partida daí, mais nenhuma ataque contundente, ou jogada de perigo. Quem teve o controle do jogo no restante do primeiro tempo foi o Palmeiras, mas não conseguiu chegar a igualdade no placar.

No segundo tempo, as coisas poderiam ser diferentes para a equipe do Morumbi, mas uma apatia já conhecida dos torcedores rondou o time durante os 45 minutos finais. Logo no inicio da segunda etapa, Henrique fez falta dura em Douglas e acabou expulso de campo. Com um jogador a menos, o Palmeiras foi pra cima do São Paulo, explorando a velocidade de Maikon Leite pelas pontas.

A pressão deu resultado. Valdivia fez boa jogada na entrada da área e sofreu pênalti. O próprio meia bateu, mas Denis fez boa defesa. O São Paulo não se achava em campo, sem criatividade, jogadas bem trabalhadas, o time parecia cansado. O Palmeiras não. Continuava pressionando. E até que de tanto exigir do goleiro são paulino, a bola tinha que entrar.

Depois de cruzamento pela direita, o pequeno Mazinho mandou para o gol, exigindo boa defesa de Denis, mas a bola ainda viva na área achou novamente Mazinho, que de cabeça mandou para o gol, empatando a partida.
Mesmo com um jogador a mais, o São Paulo levou sufoco do Palmeiras até os minutos finais e por incrível que pareça, o empate, pelo que foi a partida, ficou melhor pro São Paulo, que pouco fez no jogo, do que pro Palmeiras, que obrigou Denis a trabalhar os 90 minutos.