ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Uma vitória com a cara de Felipão

De forma surpreendente Palmeiras vence a primeira Batalha 

Por Vladimir da Costa

Não podia ser em outro local, contra outra equipe. Felipão, contestado ontem, hoje é a nova salvação palmeirense. Nem os próprios jogadores acreditavam em tal vantagem em pleno Olímpico contra o forte Grêmio, mas a façanha fazer com que Felipão chegue a sua quinta decisão de Copa do Brasil.

Na casa onde o consagrou como um dos maiores técnicos do Brasil na década passada, Felipão mostrou que ainda tem força para arrancar o máximo de seus jogadores e de forma brilhante, deu uma importante demonstração de que o Palmeiras continua grande, apesar dos pesares.

A Partida

Barcos decisivo contra o Grêmio (Foto: Jefferson Bernardes/Preview.com)

Empurrado pelos 45 mil torcedores, como era de se esperar, o Grêmio pressionou o Palmeiras desde o primeiro minuto, mas pecava na hora do último passe. A jogada mais perigosa foi uma cobrança de falta na trave, já o Palmeiras se resumiu atrás da linha do meio de campo, pouco fez e não chutou uma bola ao gol do Vitor.
Mesmo com Kleber, depois de 73 dias em tratamento devido uma recuperação na fíbula mudou a sorte gremista.
As poucas chances de gol se devem em parte da boa atuação do forte sistema defensivo. Ambas as equipes se mostraram muito aplicadas na defesa com os homens de frente auxiliando na marcação, como gosta Felipão.

No segundo tempo o panorama mudou um pouco de figura. O Palmeiras adiantou a marcação e começou a ficar mais com a posse de bola. Luxemburgo resolveu mexer na equipe para ganhar em velocidade e folego, colocou André Lima e Marcelo Moreno nos lugares de Miralles e Kleber, mas não adiantou. O Palmeiras seguiu melhor, principalmente no meio de campo, com Marcos Assunção e Daniel Carvalho que serviam os atacantes, Luan e Barcos.

O Palmeiras começou a atacar com mais frequência, mas a bola não chegava “limpa” para a finalização.
Apenas aos 32 minutos o Grêmio assustou o Palmeiras com uma jogada lateral de Pará que cruzou, mas André Lima não acertou como gostaria.

O famoso dedo do técnico veio aos 40 minutos, quando Felipão colocou Mazinho no lugar de Daniel Carvalho. Passado dois minutos em campo, o então reserva abriu o placar para delírio dos torcedores palmeirenses que acompanham a partida no estádio.

Como se não estivesse satisfeito, o Palmeiras ainda continuava no ataque e aos 45 minutos, em jogada pela esquerda, Juninho cruzou e Barcos no segundo pau subir sem ângulo para tocar de cabeça para as redes, sem defesa para Vitor.
Poucos acreditam em conseguir tamanha vantagem fora de casa, mas ela veio e no melhor estilo Felipão, bom na defesa e prático no ataque.

As equipes voltam a se enfrentar na próxima quinta-feira, às 21h, na Arena Barueri.